Enviar a matéria pelo WhatsApp

Dourados agora tem Associação de Mulheres Empreendedoras


Já dizia Beyonce: “Who run the world? Girls!” (Quem comanda o mundo? Mulheres!)

Brincadeiras a parte, as mulheres estão cada vez mais ocupando todos os espaços, principalmente no ramo empresarial. E Dourados está dando um importante passo para avançar ainda mais nas conquistas femininas.

Nesta quarta-feira (6), foi oficializada a BPW-Dourados, a Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais. A Organização Não Governamental pretende desenvolver o potencial profissional e de liderança de mulheres em todos os níveis.

Segundo a presidente, Evânia Ribeiro, empossada ontem, a união dessas profissionais vai dar mais força a cada integrante e às empresas locais. "Com a nossa união Esperamos contribuir com troca de experiências, networking, mais treinamentos e workshops, dentre outras ações como o cartão Mulher BPW que dará a associada vantagens como desconto ou condições especiais nas lojas e serviços pré cadastrados a BPW Dourados. E também o “BPW Day in Company” que consiste na visita de todas da BPW a uma empresa associada que se pré cadastrou para receber as visitas em um determinado dia, e com isso possibilitar mais vendas, mais negócios, movimentando nosso comércio".

Mais de 50 mulheres já fazem parte da organização em Dourados e podem participar todas aquelas que possuem CNPJ.

SAIBA COMO SURGIU BPW

A sigla BPW, significa Business Professional Women. Tudo começou em 1930 em Genebra na Suíça, foi fundada pela Dra. Lena Madesin Phillips, nascida nos Estados Unidos e que foi eleita primeira Presidente Internacional, e trabalhou ativamente até 1947.

Dessa época até hoje, já existe em mais de 100 países no mundo. No Brasil como Federação a organização foi implantada em 1987, e na época só existiam 3 Associações: São Paulo, Brasília e Joinville. Hoje, a Federação das Associações de Mulheres de Negócios e Profissionais do Brasil e todas as Federações do mundo estão padronizadas com a sigla BPW.

CONHEÇA A DIRETORIA E CONSELHO DA ASSOCIAÇÃO EM DOURADOS

DIRETORIA

PRESIDENTE EVÂNIA APARECIDA DIAS RIBEIRO

1º VICE SANDRA ARAÚJO DE OLIVEIRA

2 º VICE JAQUELINE VARGAS DIERINGS

1º SECRETARIA AUDREY DA SILVA MILAN CONTI

2º SECRETARIA CRISTIANE IGUMA CÂMARA

1º TESOUREIRA IRMA LUPINETTI

2º TESOUREIRA ELY SILVA DE OLIVEIRA SEMMELROTH

CONSELHEIRAS

ALESSANDRA FUZIY LORENSINE

CRISTINE ALBANEZ JOAQUIM RICCI

CLAUDIA CARLESSO DERIGGI

ELAINE MESSIAS

ELIZABETH ROCHA SALOMÃO

FLAVIA ROSA SANTOS SILVA

IDETE FATIMA BOSCHETTS MENDES

KARINA SAKIMOTO

MARCIA SILVEIRA

MARA GOULART BOSCO

LUCIANA DIERINGS

LUCIANA TELES CALDEIRA

MARIA GUILHERMINA PEREIRA ORTIZ

ROSA NOGUEIRA

WANDA DAMÁLIA

LIANA PIETRA MALE

HISTÓRIA DO BPW E DA FUNDADORA


A Conferência das Mulheres de Negócios, realizada em 11 e 12 de maio de 1918, foi criada pelo War Work Council – Conselho do Trabalho de Guerra, para considerar a formação de uma organização de mulheres de negócios para serviço de guerra. O trabalho de Lena Madesin Phillips era chamar as executivas de Nova Iorque, explicar o propósito do encontro, convidá-las e assegurar seu apoio.

Quase 100 mulheres compareceram e a conferência designou um comitê de vinte e cinco mulheres de diferentes partes do país, chamando-o de Comitê Nacional das Mulheres de Negócios. Lena foi designada como secretária do Comitê e trabalhou arduamente, inclusive para Campanha do Fundo de Guerra.

Com o fim da guerra, a ideia de organizar mulheres de negócios e profissionais para servir aos interesses da vitória, formando outros clubes locais, perdera o sentido. Mas Lena descobriu que enquanto ela trabalhava para a campanha do Fundo de Guerra, mulheres de todas as partes do país inundaram o comitê com apelos para que os esforços para organizar a federação fossem continuados.

A AMC (re)indicou Lena para o cargo de secretária do Comitê de Mulheres de Negócios e ela começou a trabalhar com as mulheres de todo o país estavam ansiosas para ter uma organização que as representassem na luta por seus direitos.

Lena escolheu algumas mulheres para ajudá-la na missão de fundar a federação e deu-lhes a seguinte recomendação: “Nunca se esqueçam de que vocês estão comprometidas com um trabalho muito real e muito sério – que não tem preço – algo que só pode ser conseguido com o que há de melhor no seu ser, algo que é parte do grande plano de Deus para tornar o mundo melhor e homens e mulheres livres. Sejam práticas no seu trabalho, mas nunca percam o sonho da nossa grande visão do futuro. Nada além de igualdade total entre homens e mulheres.”

Após seis meses de trabalho expondo os fundamentos da igualdade econômica entre os sexos, mostrando a direção dos esforços que as mulheres americanas deveriam tomar, agora que seus direitos educacionais e políticos foram oficialmente reconhecidos, faziam-nas clamar pelo estabelecimento de uma organização nacional de mulheres de negócios e profissionais para “trazer solidariedade entre as mulheres da nação e eventualmente do mundo todo”. Esse era o sonho de Lena Madesin.

No dia 15 de julho de 1919, com mais de duzentas delegadas e quase o mesmo número de visitantes foi aberta a tão esperada convenção. Após discussões acaloradas, um grupo de mulheres determinadas definiu sua constituição e suas leis, por aclamação elegeu suas diretoras e estava organizada a Federação Nacional de Mulheres de Negócios e Profissionais nos Estados Unidos da América. A Lena foi oferecida a presidência, mas ela somente aceitou ser Secretária Executiva Nacional, pois acreditava que inicialmente poderia servir melhor.

Durante longos anos Lena trabalhou para a Federação e também desenvolveu importante carreira como advogada. Participou ativamente de várias organizações e nunca perdeu de vista seu sonho de formar uma federação internacional.

Lena elegeu-se Presidente e em 1928 aceitou continuar no cargo, já no seu terceiro mandato, pois desejava liderar a excursão da Boa Vontade, formada por cinquenta e duas mulheres que iriam à Inglaterra onde se juntariam ao grupo mais treze mulheres, aumentando o grupo para sessenta e cinco, seguindo para França, Bélgica, Holanda, Alemanha, Suíça e Itália. Além das visitas turísticas e a participação nos Jogos Olímpicos da Holanda o objetivo principal do grupo era garantir apoio das mulheres europeias para a fundação da Federação Internacional.

Em janeiro de 1930, Lena Madesin, ainda presidindo a Federação Nacional, começou a convidar as mulheres importantes, com as quais havia se encontrado em suas viagens, para um encontro de mulheres de negócios e profissionais de todos os países para discussões de interesse mútuo, a realizar-se em Genebra, Suíça em 24, 25 e 26 de agosto de 1930.

Por um quarto de século, um relógio, de inigualável valor para Lena, ficou em sua mesa, testemunhando a busca alcançada com trabalho e fé e a pedra angular colocada com determinação e esperança.

Na base deste relógio prateado que lhe foi entregue por uma delegada italiana tinha a inscrição: “ Presenteado a Srta. Lena Madesin Phillips – fundadora da Federação Internacional das Mulheres de Negócios e Profissionais – pelas representantes de dezesseis nações, entregue no primeiro encontro internacional, realizado em Genebra, em 24, 25 e 26 de agosto de 1930”.

“A mulher de hoje deve ver que existem duas coisas de particular importância para seu futuro: que ela é um indivíduo livre, independente e capaz; e que as oportunidades estão abertas para ela, mas, para que possa aproveitá-las, ela dever ter fé nela mesma, uma visão completa de suas próprias potencialidades e a coragem de realizá-las. A mulher agora olha para a Terra Prometida, já que as águas do rio foram abertas. Mas ninguém pode ser chamado para levantar seu corpo e colocá-lo na Terra Prometida. O passo tem de ser dado por ela mesma.”

“Nós não podemos ter mudanças simplesmente pelo desejo no pensamento. Mudança é o resultado de força que nós devemos deliberadamente controlar. A mudança pode vir por meio de uma revolução, mas também pode vir por meio de um planejamento ordenado, carregado conscientemente e com determinação.

As palavras acima, ditas por Lena Madesin Phillips em 1920, são muito atuais e apropriadas para serem ouvidas hoje, por todas as mulheres que são sensíveis à necessidade de investir em seu autoconhecimento e capacitação para conquistarem o protagonismo em suas vidas.

#capa #matérias

0 visualização

A vida nos enche de motivos para Celebrar. É só prestar atenção aos detalhes para ver que, ao nosso redor, existem inúmeras razões para festejar, comemorar, reunir e partilhar.

© 2016 Revista Celebrar - Todos os Direitos Reservados - Este Site Foi Orgulhosamente desenvolvido por: Agência Integre

  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube